ENTREVISTA

AOS NOVATOS E INTERESSADOS
SEGUE PARA QUE AJUDE NO ENTENDIMENTO INICIAL DO BDSM, dedicado aos novatos nesse mundo.
Respondi a umas perguntas de forma clara e curta, sem enrolação.
Abraços

Brenno Furrier

www.brennofurrier.com

Atualizado em 08/07/2017

*O q significa BDSM?*

Para mim, sem muitas teorias e significados, trata-se de um fetiche sexual, onde alguns dão maior valor e outros dão menor valor em relação a sua vida.
Cada letra desta significa um sub-fetiche, e cada sub-fetiche uma prática diferente.
*Todos praticantes devem fazer todas as letras?*

Não, as pessoas só devem fazer o que tem vontade ou coisas que querem experimentar.
Em uma sessão de BDSM, pode haver o B e não haver o M, por exemplo.
*Pode alguém gostar de ser amarrado ou espancado sem ser submisso?*

Sim, ser um submisso ou slave, está muito ligado à letra D. Onde a submissão vem atrelada ao D de dominação ou disciplina.
Um praticante de bondage, não necessariamente é um sub ou slave.
Ser um submisso está mais ligado à alma do que ao corpo.
Por isso chamo todos de praticantes de bdsm.

*Sobre os switch?*

Já ouvi dizer, que são as pessoas que mais se divertem.
Normalmente são excelentes Doms e medianos subs, pois apresentam alto nível de desejos a serem satisfeitos e tem de ser de acordo com suas vontades, querendo muitas vezes controlar o dominador. Mas essa regra tem exceção, pois tem aqueles que sabem virar a chave DOM/SUB muito bem, não a deixa na metade.

Vai muito da atitude do dominador se sujeitar ou não.

*Detalhe o BDSM?*

B- bondage (todas as formas de restrição)

D- disciplinar e dominação

S- sadismo ou submissão

M- masoquismo

*O que achas da Liturgia?*

Para ser sincero, acho um saco quem tem a sua e quer empurrar isso aos outros como uma verdade “verdadeira”.
Cada pessoa deve seguir seus próprios passos e métodos, como os que te fazem feliz.
Sempre digo; se você tem uma liturgia própria, fique pra si, pois ela não rege minhas ações.
Cada Mestre comanda seu reino de acordo com suas leis, já diz uma amiga minha (Rainha Frágil de Fortaleza)

Porém todas as liturgias existentes, tem de seguir o SSC (São, Seguro ou saudável, e Consensual), e acrescentando o R, pois o risco é inerente a toda atividade, inclusive a prática do BDSM.

*O que achas da relação 24×7, para o dom ou sub?*

Acho complicado viver 24×7 (24 horas por 7 dias da semana, isto é, full time, sem pausa), em qualquer um dos papéis. Por considerar o BDSM um fetiche, e não um estilo para a minha vida. Não acho legal esse tipo de relação. É muito puxado tanto para o Dom,  como para o Sub.

*Como você iniciou no BDSM?*

Iniciei muito cedo, antes dos 10 anos, fazendo nós em mim e em meus coleguinhas.
Não sabia do que se tratava, mas sabia que era gostoso. Brincadeiras no estilo de polícia e ladrão eram as minhas preferidas.

Aos 22 anos já tinha minha primeira sala de jogos privada. Trabalho desde muito novo, por isso consegui conquistar meus objetivos.

*Sobre o filme “50 tons de cinza”?*

Assisti e vi muitas críticas ao filme.
A grande maioria dos teóricos, filósofos, “fodões” do BDSM “meteram o pau” nele, mas meu entendimento é oposto, tentei ver o lado bom; o de permitir a discussão, e de permitir que muitos curiosos tomassem coragem para iniciar naquele momento.

Lógico que, no roteiro do filme, atribuir o BDSM da vida dele a um trauma que o artista sofreu foi ruim, mas o lado positivo do filme foi muito superior.

Algumas pessoas na época do filme me chamavam de 50 tons de cinza brasileiro (christian grey), queria ter a beleza dele e 1/3 de sua fortuna hehehehe. Mas acho que foi devido ao meu arsenal de equipamentos e por ter conquistado um pequeno sucesso profissional, não sei se era uma crítica ou elogio, sei que não me causou tristeza ou alegria. Pois sempre tentei seguir e fazer meus próprios caminhos.

*Onde comprar equipamentos?*

Depende muito de alguns aspectos. Dinheiro e disponibilidade de viajar são alguns exemplos.
Dinheiro curto sugiro o Ebay. Mas sabendo que o material não é top. E demora demais.
Mas se tiver dinheiro e tempo pra viajar, sugiro definir o que deseja e escolher as melhores marcas do mundo.
Não necessariamente comprar tudo em uma única loja, pois determinado produto pode ser melhor em outra concorrente.

No Brasil temos duas lojas de pessoas que praticam BDSM e que conheço. A http://www.no-xcape.com/?tracking=589d727d5ca9f   e a  https://www.vialibido.com.br.

*Dominador sempre ativo e sub sempre passivo?*

Isso é uma idiotice brasileira. O fato de um  boy ser dominador não o faz ativo sexualmente, e vice-versa.
São coisas distintas, uma é a ação do BDSM e a outra, a ação baunilha na cama.

Mas, a maioria dos dominadores são ativos, mas não obrigatoriamente.
Conheço vários dominadores passivos na cama.

No meu caso, sou dominador e Ativo sexualmente.

*Práticas perigosas?*

Esse ponto é muito importante.

Dica: se preocupe principalmente com a respiração. Nada que tape o nariz, boca e que aperte o pescoço. Uma simples corda colada na lateral do pescoço pode fazer a pessoa desmaiar.

Cuidado com velas, elas têm temperaturas diferentes.

Equipamentos enfiados na uretra merecem destaque também, para evitar infecções e traumas dentro do canal peniano.

Muitos gostam de dar tapas no rosto, mas até pra isso tem de saber bater, pois pode deslocar o queixo ou causar traumatismos.

Sangues são potencialmente perigosos para transmitir doenças.

Spank tem de ser no local certo e com o objeto correto, pode ser perigoso também. Sugiro iniciar pela bunda.

CBT é algo muito arriscado também, sugiro estudar um pouco antes de começar a fazer. Dica: nunca bata nas bolas estando elas apoiadas ou presas em lugar rígido.

*Limites?*

Meus limites são poucos. Não gosto de sangue, scat e causar dor intensa.
Cada submisso tem seu limite, e é bastante distinto entre eles.
Um dominador tem obrigatoriamente respeitar o limite de cada sub, sob pena de sair do SSC (são, seguro e consensual).
As pessoas pensam que sou muito pesado, mas na verdade, sou carinhoso ao extremo com quem eu prendo.
Minha preferência no BDSM é o B (bondage).

Alerto sempre os dominadores iniciantes, mesmo se o submisso ou praticante pedir, não ultrapasse a linha do SSC, sob pena de ter um risco grande e ter de responder por seus atos.

*Indicação de praticantes?*

Sugiro procurar pessoas conhecidas e que mostrem seus trabalhos.
Pedir conselhos a quem já é conhecido é fundamental para não entrar em perigo.

*Indicações de lugares Brasil?*

São Paulo é a capital BDSM GAY do Brasil, mas não há uma casa ou um lugar especial e específico para isso. Existem festas como o Projeto Luxúria e o BDSMCAMP. Há um bar como o dominatrix que é frequentado basicamente por heterossexuais.
Atualmente o melhor lugar do Brasil é a UPGRADE, nas festas LEATHERZONE.
Recife se destaca no BDSM GAY, não pela quantidade de praticantes, mas sim pelo nível dos Dominadores e seus studios de dominação.

Mas há grandes praticantes em todos os estados brasileiros, basta procurar.

*Melhores países para o BDSM GAY?*

Na minha visão e por ter viajado muito já, sou fã da Alemanha e dos EUA. Mas também é forte na Inglaterra e Holanda.

*Melhores festas mundo?*

As Folsoms de Berlin e São Francisco.
Mas para mim, o IML de Chicago é fenomenal, pois todos os participantes ficam em um mesmo hotel gigante praticando nas respectivas suítes. Além de ter a escolha do Melhor Leather do mundo e uma gigante feira de produtos, ocorre sempre no mês de maio.

*Melhores espaços pra BDSM?*

Há três clubes que me chamaram muito a atenção: o Citadel São Francisco, o de Chicago ( Chicago Hellfire)e o de Berlin (http://www.quaelgeist.sm), mas com certeza temos outros clubs que não conheço.

*Idades no BDSM?*

Não há idade máxima para a prática, mas pela lei brasileira a mínima é 18 anos. Há quem curta de todas as idades, ou jovens ou maduros. Isso depende de gosto.

Para mim, não curto menores de 21 anos e nem maiores de 35 anos (Máximo de 40). Pq disso? afinidade e tesão. Cada um tem sua preferência.

Muitos me criticam por não aceitar mais velhos, mas a maioria deles só querem pegar dominadores novos e sarados. Cada panela arruma sua tampa. Ninguém pode jugar o gosto do outro.

“Pagar por sessão?”

Não vejo problema em quem “cobra” para dominar, eu não cobro como muitos pensam.
Novamente muitos criticam quem cobra um valor, mas é o seguinte, paga quem quer.
Tudo tem de ser combinado antes e respeitando os limites. Não discrimino ninguém por cobrar, só eles sabem onde aperta o sapato.

*Sua preferência de subs?*

Curto caras submissos de alma, aqueles que nasceram para servir.

A aparência para mim é importante também, podem criticar hehehe, mas não serei demagogo negando isso, pois é uma questão de tesão mesmo. Eu curto pessoas magras, altos, pés bonitos e passivos.
Mas tenho tesão em muitos outros biótipos também, não é uma regra fechada.

Cada dominador tem um estilo diferente e gosto também.

*Tempo de sessão ideal?*

Minha sessão ideal dura de 4 a 6 horas. Pois a preliminar é muito importante.

*O Mestre é casado?*

Sou casado, e o amo muito. Por isso não me apaixono por nenhum submisso.
Ele foi um dos meus primeiros submissos e hoje é meu companheiro. Lindo e gostoso.

*Projetos?*

São tantos, minha mente é um vulcão de pensamentos para divulgar o BDSM gay no Brasil.
Atualmente tenho participado do BDSMCAMP, filme “Baunilha”, entre outras novidades por ai.

*Qual a Etiqueta para ter uma sessão em seu Studio?*

A etiqueta de um sub quando chegar ao meu Studio é:

Código de conduta no BF STUDIO

Chamar sempre de MESTRE;

Não pisar nos batentes de proteção ao som das portas de acesso;

Deixar os objetos pessoais (salvo o celular) na antessala, assim que entrar;

Tirar a roupa e deixar na antessala, entrar apenas de cueca;

Colocar o celular no silencioso antes de entrar no BF STUDIO;

Somente pegar no celular com a autorização do MESTRE;

Entrar de cabeça baixa, não olhar para o MESTRE até ser permitido;

Os equipamentos que forem usados tem de ser limpos após a sessão;

Colocar os equipamentos no respectivo lugar após a limpeza e final da sessão;

Lavar os copos, pratos ou demais utensílios usados;

Fazer um breve relato da sessão ao chegar em casa e enviar ao email do MESTRE (brennofurrier@gmail.com)

*Aumento de limites?*

Muito importante isso para casos de uma relação BDSM em que teremos várias sessões, mas tudo combinado e gradativo.

*Palavras segurança (Safewords)?*

Uso duas: amarelo e vermelho. A primeira é o limite de uma determinada situação a segunda é mandar pro chuveiro, casa. Sem elas não é BDSM, é crime.

*Após sessão?*

Adoro ter: Amizade, conversa bate papo, trocar experiências pra melhorar possíveis outras sessões.

*Antes sessão?*

Pouca conversa, e passo as regras do meu Studio.

Para pessoas desconhecidas, converso bastante o que poderá ser feito, mas não digo tudo, a surpresa as vezes é importante numa sessão de BDSM .

*Entrevista (conhecer antes)?*

Pelo estágio em que alguns Doms se encontram, por demonstrarem competência em vídeos e fotos ou mesmo relatos, nós não gostamos de marcar com um sub pra ser entrevistado por ele, tipo pra saber se vai curtir ou não.
Gostamos de coisas mais diretas e de pessoas decididas.

*Os “sem noção”??*

Para mim os piores são aqueles que dizem: eu quero… faz isso… Estes pensam que nós dominadores somos subs deles.

Mas não posso esquecer daqueles que dizem: quero dominador com pegada e que me coma com força….. Eu respondo que eles não precisam de um dominador, basta um ativo. Em qualquer app vc acha um.

E aqueles: quero ser comido por 4 dominadores….. respondo: vai procurar um produtor de filme, ou vai dormir e sonhar. Arrumar um dominador de verdade já é difícil, imagina 4 que te queiram. Nós dominadores somos seres em extinção hehehehe.

Obs: NINGUÉM É OBRIGADO A ACEITAR TUDO QUE EU DISSE, isso é a minha opinião apenas.
Abraços
Brenno Furrier

 

Próximo tópico http://www.brennofurrier.com/dicas-de-um-sub-domestico/

LiveZilla Live Chat Software